Como usar a tecnologia a favor da educação infantil

Postado em 25/03/2020

Como usar a tecnologia a favor da educação infantil

A tecnologia surgiu para facilitar a vida das pessoas. O trabalho fica mais ágil, as transações financeiras mais fáceis e até para se comunicar com parentes distantes ficou bem mais cômodo. Porém, os pais precisam estar alertas em relação ao excesso de uso por parte das crianças, pois pode causar, entre outros fatores, dificuldades’ futuras na aprendizagem, principalmente na alfabetização.

Um dos problemas está nos movimentos repetitivos (visual e auditivo) que os aparelhos sugerem. Eles não estimulam as questões motoras nem a criatividade dos pequenos. Nessa fase, oferecer recursos para desenvolver a escrita é fundamental e, em suma, os recursos que encontramos nos eletrônicos são bem limitados nesse sentido.

No entanto, como alerta a pedagoga Magda Asenete da In Company Assessoria e Treinamento, oferecer um aparelho eletrônico para uma criança se  entreter é uma atividade corriqueira nas famílias e, ao mesmo tempo, muito preocupante. “Ao invés de incentivarmos a usarem celulares, jogarem em videogames ou tablets, devemos estimular de outras formas as crianças”.

Isso porque desenvolver atividades físicas são fundamentais para o desenvolvimento da coordenação motora, que está diretamente relacionada a habilidade de realizar movimentos como saltar e rolar. Os eletrônicos não devem ser pensados nem utilizados como estimulador à criatividade ou as habilidades da criança - comenta a especialista.

Na leitura, a profissional comenta que a memória visual é muito significativa e os primeiros registros são os mais importantes. Ela diz que a criança é, por natureza, extremamente curiosa. Então, tudo acaba se tornando leitura desde a palavra que vê na televisão, as revistas espalhadas pela casa e consultórios, nos livros de história, nos desenhos e até mesmo nos rótulos de produtos que eles encontram no mercado.

Por isso, Magda reforça a importância de se ter uma rotina a qual a criança é estimulada de maneira diária. Segundo ela, isso ajuda na formação de signos e irá limitá-la a utilizar os eletrônicos e, consequentemente, limitá-la as novas percepções.

Outra coisa que desperta o interesse são os rótulos de produtos. Eles são verdadeiros estimuladores e construtores da leitura. “A partir do momento que exista uma memória visual e gustativa, para a criança, daquele produto para a criança”.

- Isso gera curiosidade e, consequentemente, estímulo a leitura do que está escrito. É dessa forma que muitas crianças conseguem reproduzir sons e palavras através da rotina e das associações entre objeto e leitura - relata.

A pedagoga comenta ainda que o melhor método para auxiliar na alfabetização é balancear os estímulos físicos e eletrônicos. Ela sugere, por exemplo, a procurar um aplicativo que trabalhe com recursos visuais ou um jogo que estimule a criança a resolver conflitos.

Ela frisa também que, durante esse processo, a participação dos pais é necessária. Eles precisam sanar as dúvidas das crianças e auxiliá-las na busca do conhecimento dos sons e das palavras. “A alfabetização é um momento importante na vida das crianças e, se mal estimulada, pode causar sequelas para toda a vida”.

Outras Notícias

 

Vale a pena pagar por reforço escolar?
Postado em 10/07/2020

O fim do ano letivo está chegando. Muitos estudantes pensam nas férias de verão, enquanto outros estão preocupados com as notas vermelhas no boletim. Para estes estudantes que comprovadamente não aprenderam o conteúdo previsto nas suas séries, o ri...
leia mais »

Bullying: o que você precisa saber para proteger o seu filho
Postado em 03/07/2020

Crianças que sofrem com o problema têm duas vezes mais chances de ter distúrbios de saúde e emocionais quando adultas, diz pesquisa. Entenda mais sobre o assunto

Depois de passar três anos na mesma escola sem relatar qualquer problema, Vitor, 9 anos, dec...
leia mais »

10 dicas para proteger o seu filho dos riscos na rede
Postado em 26/06/2020

10 dicas para proteger o seu filho dos riscos na rede

Ali na tranquilidade de casa, não parece que seu filho corre perigo ao acessar a internet, não é mesmo? Afinal, ninguém vai sair de dentro do computador para fazer mal a ele. Pensando assim, é dif&i...
leia mais »